"Vença a si mesmo e terá vencido o seu próprio adversário." (Provérbio japonês)



“Presos ou soltos, nós, seres humanos, somos muito cegos e sós. Quase nunca conseguimos transcender os nossos estreitos limites para enxergar os outros e a nós mesmos sem projetar o nosso próprio vulto na face alheia e a cara dos outros na nossa.”

Visite meu arquivo .

terça-feira, 11 de maio de 2010

Nossa sombra.


http://1.bp.blogspot.com/_nc4XLXT7-yc/SrdsLUYu5fI/AAAAAAAAAdE/RnOP_lCO6rg/s400/sombras.jpg



ENQUANTO PROCURAMOS A LUZ, PODEMOS DE REPENTE SER DEVORADOS PELA ESCURIDÃO..
E,
DESCOBRIR A LUZ VERDADEIRA.
Dentro de cada um de nós existe um verdadeiro tesouro. Este tesouro é o nosso espírito, puro e magnificente, livre e brilhante! Mas este tesouro foi escondido por uma camada espessa de preconceitos. Estes preconceitos têm a sua origem nos nossos medos. É a nossa máscara social: a cara que mostramos ao mundo. Revelar a nossa sombra é colocar a descoberto a nossa máscara. Temos que olhar para esta máscara com amor e compaixão, pois há um enorme tesouro à nossa espera quando compreendemos porque motivo nos escondemos por detrás dela. Há uma história curiosa que podemos aplicar a este tema. Em 1957 um grupo de monges na Tailândia estava a ser deslocado para outra parte do país. Um dos monges  ficou responsável por tratar da deslocação de uma enorme estátua de barro do Buda que se encontrava à entrada do templo. Como a estátua era de barro todo o cuidado era pouco para não a estragar. Ainda por cima notava-se umas rachadelas num dos pés da estátua. O monge não sabia o que fazer. Durante a noite não conseguia adormecer, a pensar como melhor deslocar a estátua sem causar danos. A meio da noite levantou-se, pegou numa lanterna e foi ver mais uma vez a estátua. Ao incidir o foco de luz sobre o barro estalado notou que por debaixo do barro reflectia-se um brilho forte. O monge começou a arranhar o barro com as unhas, e o brilho aumentava cada vez mais. Por fim surgiu ouro! Algumas centenas de anos antes, os monges daquele mosteiro foram atacados e saqueados. Para protegerem a única coisa de valor que tinham colocaram barro a cobrir uma enorme estátua de ouro do Buda! E foi essa estátua que o monge tinha tentado manter no seu estado original de barro!
Da mesma maneira que este Buda, o nosso aspecto exterior serve para nos proteger do mundo à nossa volta. O nosso verdadeiro tesouro esconde-se por debaixo! Nós escondemos, inconscientemente, o nosso tesouro. A maneira mais fácil de descobrir este tesouro é arranhando e quebrando a nossa estrutura superficial. Nos meus seminários encontro muitas pessoas que investem anos e dinheiro em seminários, tratamentos e cursos. Procuram respostas. E quando é que a procura irá terminar? Quando é que obterão as respostas? Estas pessoas não se vêem como um Buda de ouro escondido por detrás de uma camada de preconceitos. Na verdade estas pessoas não suportam a sua camada superficial Ainda não descobriram que esta camada superficial as protege muito mais do que imaginariam algum dia. Nós precisamos da nossa camada protectora por muitos motivos, e para cada um de nós os motivos são diferentes. Apesar de que o nosso objectivo último é ver-nos livres da camada protectora, primeiro temos que compreender e aceitar estas máscaras. Acha que o Buda de ouro, depois de lhe terem retirado a camada de barro, disse ?porque motivo me tiraram o barro?! Eu gosto deste barro que me
esconde!!? Ou será que o Buda sentia uma imensa gratidão pela protecção que o barro lhe tinha dado no passado, e que agora já não precisava? A sua camada exterior é a face que mostra ao mundo. Esconde todas as características que  compõem a sua sombra. As nossas sombras escondem-se tão bem que muitas vezes mostramos ao mundo uma cara, quando no fundo nos sentimos exactamente o oposto. Há pessoas que usam uma camada de frieza, para esconder a sua sensibilidade, ou usam uma camada de humor para esconder a tristeza interior. As pessoas que acreditam que ?já sabem?, escondem sentimentos de estupidez. Enquanto que aquelas que agem de maneira arrogante ainda têm que revelar as suas inseguranças. As pessoas ?cool? ainda têm que mostrar a sua parte desenxabida. E as pessoas sorridentes, a sua cara de zangadas.
Nós temos que olhar para além das nossas máscaras sociais para poder descobrir quem somos de verdade. Nós somos mestres dos disfarces, enganando os outros mas, acima de tudo, enganando-nos a nós mesmos. São as mentiras que contamos a nós mesmos que temos que decifrar. Quando não nos sentimos completamente satisfeitos, felizes, saudáveis ou a viver os nossos sonhos, sabemos que as nossas mentiras estão activas. É assim que descobrimos a nossa sombra em acção.

A mudança que tem que ocorrer é perceptual. Você tem que ver as suas camadas exteriores como estando a servir uma função protectora, e não apenas como algo que o/a impede de viver os seus sonhos. As suas camadas exteriores foram concebidas de maneira divina para o/a ajudar no seu processo espiritual. Ao visitar e explorar cada acidente, emoção e experiência que o/a levou a construir as suas camadas exteriores, será conduzido de volta a casa para que possa abraçar a totalidade do seu ser. As nossas camadas exteriores são o mapa do nosso desenvolvimento pessoal. Contêm tudo o que somos, e tudo o que não queremos ser. Independentemente do quão doloroso tenha sido o seu passado, se olhar para si mesmo com total honestidade e utilizar a informação guardada nas suas camadas exteriores como um guia, irá encontrar o caminho de volta à iluminação. Quando conhecer o seu Eu Total deixará de ter necessidade das camadas exteriores para protecção. Irá deixar que as suas máscaras caiam naturalmente. Todos os seres humanos que partilham o planeta serão seus iguais. Literalmente. As nossas camadas exteriores são criadas pelo ego. Ou melhor, são criadas pelo ideal que o ego cria. O ego é o ?eu? que se diferencia dos outros. O Espírito une este ?eu? com a totalidade de quem é. Quando esta união entre espírito e ego ocorre, tornamo-nos um com nós mesmos e com o mundo. Muitas pessoas não conseguem ir muito longe neste processo de desvendar a sombra porque não têm a vontade de ser honestas com elas próprias. O ego não gosta muito de perder o controle! Mas a partir do momento que é capaz de reconhecer todos os aspectos de quem é, o bom e o mau, o ego começa a sentir que perde o seu poder. Comece por desafiar a pessoa que pensa que é para poder revelar a pessoa que é capaz de se tornar.



Dr Emídeo de Carvalho

Um comentário:

Muito obrigada pela visita.
Volte sempre!!
Rejane

"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe "Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!" Clarice Lispector

Textos no arquivo :

Mudanças


"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe





"Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!"



Clarice Lispector