"Vença a si mesmo e terá vencido o seu próprio adversário." (Provérbio japonês)



“Presos ou soltos, nós, seres humanos, somos muito cegos e sós. Quase nunca conseguimos transcender os nossos estreitos limites para enxergar os outros e a nós mesmos sem projetar o nosso próprio vulto na face alheia e a cara dos outros na nossa.”

Visite meu arquivo .

domingo, 9 de maio de 2010

Feliz dia das mães à todas as mães más.


http://www.img.lx.it.pt/~plc/PDI_MSIG/ficheiros/rosa.jpg


"Um dia, quando os meus filhos forem crescidos o suficiente para entenderem a lógica que motiva os pais e as mães, eu hei de dizer-lhes:

"Eu os amei o suficiente para ter perguntado: onde vão, com quem vão e a que horas regressarão".

Eu os amei o suficiente para não ter ficado em silêncio, e fazer com que eles soubessem que aquele novo amigo não era boa companhia.

Eu os amei o suficiente para fazê-los pagar pelas balas que tiraram da mercearia, ou revistas do jornaleiro, e os fazer dizer ao dono: "Nós pegamos isto ontem e queríamos pagar".

Eu os amei o suficiente para ter ficado em pé duas horas junto deles, enquanto limpavam o quarto: tarefa que eu teria feito em 15 minutos.

Eu os amei o suficiente para deixá-los ver além do amor que eu sentia por eles, o desapontamento e também as lágrimas nos meus olhos.

Eu os amei o suficiente para deixá-los assumir a responsabilidade das suas ações, mesmo quando as penalidades eram tão duras que me partiam o coração.

Mais do que tudo, eu os amei o suficiente para dizer-lhes NÃO, quando eu sabia que poderiam me odiar por isso - e em alguns momentos até me odiaram.

Essas eram as mais difíceis batalhas de todas.

Estou contente, venci... porque no final eles venceram também!

E qualquer dia, quando meus netos forem crescidos o suficiente para entenderem a lógica que motiva os pais e as mães, meus filhos vão lhes dizer, quando eles lhes perguntarem se a sua mãe era má: "Sim... Nossa mãe era má! Era a mãe mais má do mundo..."

As outras crianças comiam doces no café da manhã, e nós tínhamos de comer cereais, ovos e torradas.

As outras crianças bebiam refrigerantes, comiam batatas fritas e sorvete no almoço, e nós tínhamos que comer arroz, feijão, carne, legumes e frutas.

E ela obrigava-nos a jantar à mesa, bem diferente das outras mães, que deixavam os filhos comerem vendo televisão.

Ela insistia em saber onde nós estávamos a toda hora - tocava nosso celular de madrugada.

Era quase uma prisão; mamãe tinha que saber quem eram os nossos amigos e o que eles faziam.

Insistia que lhe disséssemos com quem íamos sair, mesmo que demorasse só uma hora ou até menos.

Nós tínhamos vergonha de admitir, mas ela violou as leis de trabalho infantil.

Nós tínhamos que tirar a louça da mesa, arrumar nossas bagunças, esvaziar o lixo e todo o tipo de trabalhos que achávamos cruéis.

Eu acho que ela dormia à noite, pensando em coisas para nos mandar fazer.

Ela insistia sempre conosco para lhe dizermos a verdade, e apenas a verdade.

E quando éramos adolescentes, ela até conseguia ler nossos pensamentos.

A nossa vida era mesmo chata.

Ela não deixava os nossos amigos tocarem a buzina para que nós saíssemos.

Tinham que subir, bater à porta para ela os conhecer.

Enquanto todos podiam voltar à noite com 12, 13 anos, nós tivemos de esperar pelos 16 para chegar mais tarde, e aquela "chata" levantava para saber se a festa foi boa - só para ver como estávamos ao voltar.

Por causa de mãe, nós perdemos algumas experiências da adolescência.

Nenhum de nós esteve envolvido com drogas, em roubos, atos de vandalismo, violação de propriedade, nem fomos presos por nenhum crime.

Foi tudo por causa dela.

Agora que já somos adultos, honestos e educados, estamos fazendo o nosso melhor para sermos "Pais Maus", tal como a nossa mãe foi.

Eu acho que é um dos males do mundo de hoje: não há suficientes
"MÃES MÁS". "


 O texto acima  foi entregue pelo professor de Ética e Cidadania da escola Objetivo/Americana, Sr. Roberto Candelori, a todos os alunos da sala de aula, para que entregassem a seus pais .A única condição solicitada pelo mesmo foi de que cada aluno ficasse ao lado dos pais até que terminassem a leitura. Este texto foi publicado  por ocasião da morte estúpida de Tarcila Gusmão e Maria Eduarda Dourado , ambas de 16 anos, em Maracaípe – Porto de Galinhas. Depois de 13 dias desaparecidas, as mães revelaram desconhecer os proprietários da casa onde as filhas tinham ido curtir o fim de semana. A tragédia abalou a opinião pública e o crime permanece sem resposta.







7 comentários:

  1. Querida Rejane!!
    Espero que sejas uma mãe muito má como eu sou.
    Parabéns para ti, amiga!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Rejane. Com muito orgulho, sou fruto de uma educação similar à explicitada neste texto.Quero dizer aqui, que quase tudo evolui, exclusive a essência. Por isso, ela (a essência) deve ser sempre lapidada e/ou manutenida por alguns valores,'antigos', porém necessários.
    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  3. Oi Rê. Muitas vezes só um paradoxo nos tira de uma zona de conforto surda, muda e 'burra'. Esse despertar é o princípio da mudança.
    Eu fui (e ainda sou) uma "mãe má", e meus filhos, já adultos, e reconhecem e amam. Devo ter sido suficientemente má...rs

    Feliz dia das Mães, querida!
    Que seja perfeito teu dia, envolto no amor sagrado - que é ser mãe!

    ResponderExcluir
  4. Óptimo texto.Um xicoração para si e pra todas as mães do mundo.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Rejane
    a minha mãe não foi má, foi péssima, rsrsrsrsrs
    Mas hoje agradeço a ela, por tudo o que aprendi e que me deu sabedoria para educar meus filhos, para os quais sou má, rsrs
    Grande beijo a vc e todas as mães más do planeta.
    Que Deus as mantenha nessa postura, pois assim muitos filhos serão salvos.

    ResponderExcluir
  6. Feliz dia das mãe!
    O texto é muito bonito,e perfeito para uma reflexão!!

    ResponderExcluir
  7. Querida Rejane. Que texto lindo. Nunca havia lido algo tão diferente e sensível. Muitíssimo obrigada pelo lindo presente que me enviou neste dia, que para mim, é particularmente difícil. Fiquei muito emocionada e esta atitude sua demonstra, para mim, muito carinho e amizade. Sou-lhe eternamente grata por este gesto e nunca vou me esquecer do que me deu, que muito significou para mim. Não tenho palavras para demonstrar a minha emoção. Beijos, amiga e fique com Deus.

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita.
Volte sempre!!
Rejane

"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe "Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!" Clarice Lispector

Textos no arquivo :

Mudanças


"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe





"Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!"



Clarice Lispector