"Vença a si mesmo e terá vencido o seu próprio adversário." (Provérbio japonês)



“Presos ou soltos, nós, seres humanos, somos muito cegos e sós. Quase nunca conseguimos transcender os nossos estreitos limites para enxergar os outros e a nós mesmos sem projetar o nosso próprio vulto na face alheia e a cara dos outros na nossa.”

Visite meu arquivo .

quinta-feira, 14 de abril de 2016

ANGÚSTIA, DA MORTE PARA A VIDA.





"A análise permite que a angústia que antes era vista como pânico frente a morte, transforme-se em desejo irremediável pela vida."


"Entre um momento infinito, em que o relógio marca a diferença entre dois segundos, parece que se passa uma vida inteira frente a nossos olhos. A sensação de desamparo, de falta de sentido, de falta de apoio, de que ninguém e nem nada pode retirar nossa alma, nossa mente, nosso corpo, do sofrimento psíquico angustiante que a certeza da morte traz.

Muitos foram os relatos de Hematidrose, o mais conhecido, o que ocorreu com Jesus Cristo. Hematidrose significa suar sangue.

Bom, claro que pouquíssimas pessoas em sua existência irão chegar a este ponto, porém existe algo que ocorre em nossa existência. Em algum momento de nossas vidas parece que nossos sonhos vão se desmoronando, as coisas deixam de se encaixar, uma doença, uma perda de alguém querido, um momento mais complicado em nossas vidas, bom, de qualquer forma, em algum momento muitos de nós irão passar pelo que a psicanálise conhece como angústia.

Freud fez um tratado diferenciando a Angústia do Medo, da Fobia, do Pânico. Hoje a psiquiatria traz outro nome, dando ênfase no sintoma e não na constituição do fenômeno.

Na bibliografia médica mais atual, os quadros de angústia são conhecidos como Transtorno de Ansiedade Generalizada. A mente não para de mentir para nós, e por mais verdades que ela diga, continuamos tentando nos enganar com o que acreditávamos, e não com o que a mente traz como novidade.

Para quem não passou por este estado conscientemente (Lacan em "Complexos Familiares" diz que todos passamos por isso no nascimento) podemos comparar a situação da angústia como uma pessoa que está nadando na praia. De repente, sem mais nem menos, a pessoa perde o chão, não alcança mais a areia sobre seus pés e aos poucos se percebe sendo arrastada pela correnteza. As ondas batem cada vez mais fortes, por mais que se tente nadar não se consegue sequer subir a tona para respirar. A respiração a cada onda que passa, deixa de ser controlada pela pessoa, ao contrário, a sensação é de que o mar tomou posse de toda nossa liberdade, nos restando apenas o medo, o pânico, a certeza de que dependemos na verdade de algo além de nossas forças, além de nossa capacidade, até mesmo para respirar.

Lutar contra a maré nos cansa cada vez mais, até que vamos como que desistindo de lutar, mas mesmo assim, isso não quer dizer que desistimos da vida. No meio do mar, sem tocar o chão, sem amparo algum, sem nada, absolutamente nada para que pudéssemos nos agarrar e assim conseguir respirar, apenas nos entregamos às ondas, clamando misericórdia e que a morte chegue o mais rápido possível. Mais uma vez, clamar pela morte não significa desistir e tentar suicídio, significa apenas que não estamos mais conseguindo fazer absolutamente nada por vontade própria e que de alguma forma, outra coisa tomou conta de nós, a certeza da morte.

Pode parecer assustador esta descrição comparativa do que é uma sensação de angústia, acreditem, é muito pior, pois tudo isso parece acontecer a cada segundo, a cada respiração, a cada batida de coração. É como se estivéssemos em em constante estado de Pânico, em constante estado de alerta, e quando passamos pelos exames clínicos, bateria de exames de sangue, dosagem de lítio, entre muitos outros exames, não se encontra nada de errado no corpo. O corpo está na verdade possuído, verdadeiramente por alguma coisa, mas não necessariamente uma coisa ruim, embora o sentimento seja este.

No começo do texto disse que era uma tentativa de nossa mente dizer-nos algumas verdades, por exemplo, que por mais que tentemos ser magros, belos, jovens, honestos, trabalhadores, a vida pode acabar num segundo e que nós não temos TODO o controle. A sensação é que o único controle TALVEZ seria o do momento da morte, de findar o sofrimento.

A Angústia descrita por Freud e por Lacan diz de uma outra coisa que não da morte e do desejo pela morte, ou da tentativa de suicídio. Diz, ao contrário da vida, do desejo pela vida, por uma nova vida, diferente da que a pessoa está levando e que, de alguma forma, o homem velho tem que perecer. É como se em determinado momento, a existência dissesse:

- Pronto, já viveu como você achou que deveria, agora, está na hora de ser você, de ser feliz.

O processo entre o "achar ser o que se deve ser" e o "ser" de fato o que se é, é complicado, doloroso, leva tempo, mas depois de toda tempestade vem a calmaria, e porque não pensar em paz?

Quem está vivendo este estado, não quer ser feliz, não quer nada além de paz, de fim, de uma outra coisa que não o sofrimento. Acreditem, só quem passou por isso sabe que qualquer coisa, até mesmo a aniquilação total é melhor que continuar assim.

Aniquilação, é esta a sensação que se tem. Parece que nossa cabeça vai derreter, o corpo não responde mais às nossas vontades. Ir ao cinema, a um velório, a um circo, trabalho, férias, tudo passa a ser mais e mais do mesmo. As coisas perdem verdadeiramente o sentido que tinham até então. A pessoa perde o gosto por aquilo que antes era-lhe extremamente prazeroso. A comida para de alimentar e passa a ser apenas algo entrando pela boca e deixando uma marca ruim ali no estômago, uma sensação de nutrição, de algum prazer que outrora existia, passou a ser a sensação de adiar o inevitável, apenas isso.

O amparo e o apoio dos familiares neste processo, principalmente a busca por um psicólogo / psicanalista de confiança é de suma importância. A família deve estar lá presente e suportar o sem sentido do desanimo, do cansaço, das falas desconexas. O analista vai estar lá para ouvir estas falas e aos poucos permitir a emergência daquele outro que quer nascer, que está já pronto para a vida e que não consegue mais esperar as mentirar que criamos para responder ao social.

Aos poucos como um parto, o trabalho analítico vai permitindo que o sujeito do desejo possa emergir e com isso, uma postura ética frente a seus desejos, seus atos, suas vontades. A pessoa em análise vai descobrindo e remontando sua história, dando novos sentidos, na verdade recobrando o sentido original que as coisas tinha, e deixando os sentidos criados até então de lado.

A análise permite às pessoas a encontrarem-se com tudo aquilo que antes lhes eram "boas" e que agora passaram a ser sinônimos de mal-estar. A análise permite ao sujeito ter esta oportunidade de surgir e de aparecer em um ambiente fictício (como diria Lacan), em uma experiência fabricada e não natural, pois não é uma experiência que a vida permite acontecer naturalmente. Não dizemos de um ambiente controlado, mas dizemos de uma regularidade que o horário, o tempo, o custo, o analista e o local, permitem que a pessoa tenha um espaço para aos poucos ir se reorganizando em sua vida e ali dentro, olhar para todo o caos, para todo o "non-sense" e simplesmente apreciar, admirar e até mesmo sorrir frente a tudo isso, mas desta vez, em paz.

A análise permite que a angústia que antes era vista como pânico frente a morte, transforme-se em desejo irremediável pela vida."

Autor:MARCO LEITE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita.
Volte sempre!!
Rejane

"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe "Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!" Clarice Lispector

Textos no arquivo :

Mudanças


"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe





"Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!"



Clarice Lispector