"Vença a si mesmo e terá vencido o seu próprio adversário." (Provérbio japonês)



“Presos ou soltos, nós, seres humanos, somos muito cegos e sós. Quase nunca conseguimos transcender os nossos estreitos limites para enxergar os outros e a nós mesmos sem projetar o nosso próprio vulto na face alheia e a cara dos outros na nossa.”


"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe





"Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!"



Clarice Lispector



segunda-feira, 13 de julho de 2009

Imaturidade psicológica


             O QUE É IMATURIDADE?



Com muita freqüência, as pessoas me fazem perguntas como estas:

"É normal uma criança de seis anos chupar bico?", ou então: "é normal uma criança de oito anos urinar na cama?".

Eu não diria que isso,seja anormal, tanto chupar bico como urinar na cama são características próprias de crianças mais novas.

De modo análogo, não é natural que um adulto se comporte como um adolescente (por exemplo, manifestando uma preocupação excessiva com o próprio corpo, ou agindo de maneira irresponsável). E é sobre esse tema que falarei hoje. Ou seja, a presença de determinados comportamentos que nós, psicólogos, costumamos englobar sob a denominação de imaturidade. .

Do ponto de vista psicológico, dizemos que um indivíduo é imaturo quando há um desnível entre sua idade cronológica (idade real, em termos quantitativos quanto ao número de anos de vida) e o seu comportamento.

Assim, ele pode se desenvolver bem fisicamente e, ao mesmo tempo, apresentar uma espécie de retardo afetivo. Em outras palavras, há um atraso no desenvolvimento psicológico do indivíduo, que o impede de "crescer" e agir como alguém de sua idade. .


Causas da imaturidade ligadas à infância

. Quando a criança é ou foi superprotegida, por qualquer uma das circunstâncias que citarei como exemplos: filho único, caçula, criança muito doente, criança que nasceu após dificuldades as mais diversas (aborto, morte de um irmão ou do pai, saúde precária da mãe, problemas conjugais etc.).

. Quando a criança é educada num ambiente de instabilidade. Se os adultos que convivem com ela se mostram contraditórios em suas exigências e concessões, o clima que se cria é de insegurança e confusão. E isso pode comprometer o amadurecimento da criança.

. Quando a criança não tem liberdade de ação. Uma disciplina muito rígida pode inviabilizar certas iniciativas da criança, tomando-a dependente e frágil.


. Quaisquer ocorrências que provoquem danos à evolução natural de uma criança.

Vou citar, agora, alguns exemplos de comportamentos que acompanham a imaturidade (no caso da criança): enurese após os cinco anos de idade, rompantes temperamentais (birras, agressividade descontrolada), atitudes regressivas diante de certas dificuldades (quando ela volta a falar como bebê, ou então a chorar continuadamente, sem ao menos tentar resolver seus problemas mais banais), mentira, franca oposição a qualquer tipo de autoridade, hábitos diversos (roer unhas, chupar dedo, chupar bico após os dois ou três anos), dificuldade para dormir sozinha, oscilações de humor, além de outros exemplos no gênero.

Para dizermos que há imaturidade psicológica, não é preciso que ocorram todos esses comportamentos. A presença de um (ou mais) pode ser suficiente para caracterizá-la.


Tudo isso se manifesta na vida adulta da seguinte forma:


. A pessoa mostra dificuldade em fazer opções (para escolher uma profissão, por exemplo).


. A pessoa age mais por impulsos, sem controle ou crítica (o que corresponde a uma falta de disciplina interior).

. A pessoa não costuma persistir numa tarefa por muito tempo (isso se deve ao fato de que uma pessoa imatura, tal como a criança medrosa, tem pouca resistência às frustrações e, por isso mesmo, acaba fugindo das situações difíceis, ao invés de enfrentá-las). Ou então, mostra-se irresponsável com os compromissos assumidos.

. A pessoa não consegue encarar a vida com realismo.

. Geralmente, uma pessoa imatura comete muitos erros ao criar seus filhos.

. Em resumo, o indivíduo imaturo (seja ele criança, adolescente ou adulto) é uma pessoa que consome uma energia muito grande, mas com resultados pouco significativos, ou pouco satisfatórios. .



Como ajudar uma pessoa imatura?


De duas maneiras:


1. Uma ajuda de caráter preventivo, o que se obtém através de:


mudanças


no ambiente, orientação aos pais etc.






2. Psicoterapia ou tratamento psicológico para os casos em que a imaturidade psicológica é um fator preponderante na vida do indivíduo.


Heloísa de Resende Pires Miranda . psicoterapeuta de crianças e adolescentes-

INACOP - Instituto de Aconselhamento e Psicoterapia.


O homem psicológico maduro


O ser humano é o mais alto e nobre investimento da vida, momento grandioso do processo evolutivo que, para atingir a sua culminância, atravessa dife­rentes fases que lhe permitem a estruturação psico­lógica, seu amadurecimento, sua individuação, con­forme Jung.

Ao atingir a idade adulta deve estar em condi­ções de viver as suas responsabilidades e os desafi­os existenciais. É comum, no entanto, perceber-se que o desenvolvimento fisiológico raramente faz-se acom­panhar do seu correspondente emocional, o que se transforma em conflito, quando um aspecto não éidentificado com o outro. Em tal caso, o período in­fantil alonga-se e predomina, fazendo-se caracterís­tica de uma personalidade instável, atormentada, in­segura, depressiva ou agressiva, ocultando-se sob vários mecanismos perturbadores.

O seu processo de amadurecimento psicológico, portanto, pode ser comparado a uma larga gestação, cujo parto doloroso propicia especial plenificação.

Procedente de atavismos agressivos, imantado ainda aos instintos, o ser cresce sob pressões que lhe despertam a necessidade de desabrochar os valores adormecidos, qual semente que se intumesce sob as cargas esmagadoras do solo, a fim de libertar o vege­tal embrionário, que se agigantará através do tempo.

Fatores compressivos e difíceis de liberados, pe­los processos castradores do ambiente, quase sem­pre contribuem para que se prolongue a sua imaturi­dade psicológica.

Do ponto de vista tradicional, apresentam-se os fatores hereditários, psicossociais, econômicos, que colaboram positiva ou negativamente para o desen­volvimento psicológico, quase sempre contribuindo para a preservação do estado de imaturidade.

Graças à sua constituição emocional e orgânica, na vida infantil o ser é egocêntrico, qual animal que não discerne, acreditando que tudo gira em torno do seu universo, tornando-se, em conseqüência, impie­doso, por ser destituído de afetividade ainda não de­senvolvida, que o propele à liberdade excessiva e aos estados caprichosos de comportamento.

Passado esse primeiro período, faz-se ególatra, acumulando tudo e apenas pensando em si, em fati­gante esforço de completar-se, isolando -se socialmen­te dos demais ou considerando as outras pessoas como descartáveis, cujo valor acaba quando desaparece a utilidade, de imediato ignorando-as, desprezando-as...

Em sucessão, apresenta-se introvertido, egoísta, possuindo sem repartir, detentor de coisas, não de paz pessoal.

A imaturidade expressa-se através da preserva­ção dos conflitos, graças aos quais muda de compor­tamento sem liberar-se da injunção causal, que são a frustração, o desconforto moral, a presença da infân­cia. E mesmo quando se apresenta completado, as suas reações prosseguem infantis, destituídas de sen­sibilidade, no tormento de metas sem significado.

Para ele, o sentido da vida permanece adstrito ao círculo estreito da aquisição de coisas e à sujeição de outras pessoas aos seus caprichos. Torna-se ditador impiedoso, sicário implacável, juiz cruel. Proporciona-lhe prazer mórbido a dependência das massas e dos indivíduos particularmente, fruindo, de maneira ma­soquista, do prazer na dor própria ou alheia, desen­volvendo a degenerescência afetiva até o naufrágio fatal...

Certamente, fatores genéticos contribuem para o desenvolvimento ou não da maturidade psicológi­ca, em se considerando as cargas hereditárias na constituição orgânica, na câmara cerebral, na apare­lhagem nervosa e glandular, especialmente nas de secreção endócrina, na constituição do sexo.

Todavia, não podemos ignorar a preponderância do modelo organizador biológico (MOB) ou perispíri­to, responsável pela harmonização dos implementos de que o Espírito se irá utilizar para o seu processo evolutivo no corpo transitório.

Face a isso, cada pessoa é a soma das suas ex­periências transatas, e sua mente é o veículo forma­dor de quanto se lhe torna necessário para o proces­so iluminativo.

Essa percepção, o entendimento desse fator, faz-se relevante em qualquer proposta de psicologia trans-pessoal, no estudo das causalidades de todos os fenô­menos humanos.

Os velhos paradigmas e modelos sobre o homem cedem passo à introdução do conceito do ser ances­tral, com toda a historiografia das suas reencarnações, que se tornam responsáveis pelo desenvolvimento do eu profundo.

A enunciada cisão entre o eu e o si, atávica, desa­parece quando a análise do perispírito demonstra que a personalidade resulta da experiência de cada eta­pa, mas a individualidade é a soma de todas as reali­zações nas sucessivas reencarnações.

Graças a esses fenômenos, as pressões psicos­sociais — ambiente, educação, lutas e atividades — apa­recem contribuindo, de uma ou de outra forma, para a realização das metas ou reparação delas, em razão dos processos de mérito ou débito de que cada um se faz portador.

Todos nascem ou renascem nos núcleos familiares e sociais de que necessitam para aprimorar-se, e não conforme se assevera tradicionalmente: que me­recem.

As cargas de genes e cromossomas, as condições psicos sociais e econômicas, formam o quadro dos pro­cessos de burilamento moral-espiritual, resultantes da reencarnação caldeadora dos dispositivos individuais para a evolução.

Tal razão prepondera na elucidação das diferenças psicológicas dos indivíduos, mesmo entre os gêmeos uniovulados, defluentes das conquistas anteriores.

A maturidade psicológica tem um curso aciden­tado, feito de sucessos e repetições, por formar um quadro muito complexo na individualidade humana.

A sua primeira fase expressa-se como maturida­de afetiva, quando o ser deixa de ser captativo por fenômeno atávico, para tornar-se ablativo, que é a fa­talidade do processo no qual se encontra.

Da posição receptiva egoísta, profundamente per­turbadora, surge a necessidade de crescer e ampliar o círculo de amigos, na sua condição de animal gregá­rio, surgindo as primeiras expressões do amor.

Expande o sentimento afetivo e compreende que o narcisismo e o egoísmo somente conduzem à auto-destruição, à perturbação.

O amor é a chama que arde atraente, oferecendo claridade e calor, ao tempo que alimenta com paz, face à permuta de energias entre quem ama e aquele que se torna amado.

Desenvolve-se então uma empatia que arranca o ser do seu primitivismo, conduzindo-o à imensa área do progresso, onde a experiência de doação torna-­se enriquecedora, trabalhando pelo olvido do ser em si mesmo com a lembrança constante do seu próxi­mo.

Quem aspira por ser amado mantém-se na imatu­ridade, na dependência psicológica infantil, coerciti­va, ególatra.

A afetividade é o campo central para a batalha entre as diversas paixões de posse e de renúncia, de domínio e abnegação, ensejando a predominância da doação plena.

No amadurecimento afetivo, o ser esplende e su­pera-se.

O próximo passo é o amadurecimento mental, gra­ças à compreensão de que a vida é rica de significa­dos e o seu sentido é a imortalidade.

Com essa identificação alteram-se os interesses, e as paisagens se clareiam ao sol da razão, que con­substancia a fé no homem, na vida e em Deus.

O amadurecimento mental, que se adquire pela emoção e pelo conhecimento que discerne os valores constitutivos da filosofia existencial, amplia as pers­pectivas da realização completadora.

Somente após lograr o amadurecimento afetivo, consegue o mental, por encontrar-se livre dos cons­trangimentos e das pseudonecessidades emocionais.

A conquista da razão é relevante, por ser o princí­pio ordenador, responsável pela formação do discer­nimento, que reúne em um só conjunto as diferentes conquistas intelectuais, a fim de que possa utilizar o pensamento de maneira justa, real e compatível com a consciência.

A razão proporciona a superação do fenômeno in­fantil da ilusão, da fantasia, responsável pelo sofri­mento, em se considerando a impermanência e todos os acontecimentos e aspirações físicas.

A mente, no seu contexto e complexidade, resul­ta de duas expressões da sua natureza: o intelecto e a razão, sendo a segunda de formação discursiva e a primeira de caráter intuitivo.

Disso decorrem duas condutas de aprendizagem no que tange ao pensamento e ao seu uso correto.

Pensar acertadamente é uma meta elevada, por­que nem todo ato de pensar corretamente o é, face à interferência dos desejos e supostas necessidades. Assim, a concentração nos objetivos ideais, distingui­dos dos imaginados, leva à correção do pensamento.

Há uma grande variação de níveis de pensamen­to, resultantes das conquistas intelectuais.

Para que ocorra o amadurecimento se torna indis­pensável pensar, exercitando a mente e ampliando-lhe a capacidade de discernir.

Logo se apresenta o desafio do amadurecimento moral, responsável pela superação dos instintos, das sensações grosseiras, imediatistas.

A escala dos valores rompe os limites das conve­niências restritivas e interesseiras, para apoiar-se nos códigos da ética universal, ancestral e perene, que têm, por base, Deus, os seres, a natureza e o próprio indiví­duo, compreendendo-se que o limite da própria liber­dade começa na fronteira do direito alheio, nunca as­pirando para si o que não gostaria de receber de ou­trem...

A maturidade moral liberta, por despedaçar os códigos da hipocrisia e das circunstâncias que facul­tam o desenvolvimento do egoísmo, da vaidade, da autocracia.

Essa realização moral é dinâmica e entusiasta, alargando as possibilidades de crescimento ético, estético e espiritual do ser.

Dois sensos morais surgem no contexto da matu­ração: o convencional — que é o aceito, oportunista e, às vezes, amoral ou imoral, — porque imposto pelas conveniências de cada época, civilização e cultura — e o verdadeiro — que supera os limites ocasionais e so­brepaira legítimo em todas as épocas, qual aquele estatuído no Decálogo e no Sermão da montanha.

A conquista da maturidade moral verdadeira tor­na-se indispensável para a auto-realização do ser e da sociedade em geral.

Vencida essa etapa, a maturidade social surge naturalmente, porque, autoconhecendo-se e autotra­balhando-se, o homem psicológico torna-se harmôni­co no grupo, é aglutinador, compreensivo, líder natu­ral, proporcionando bem-estar em sua volta e alegria de viver.

O amadurecimento psicológico é imperativo que surge naturalmente, ou por necessidade que se esta­belece no processo da evolução.

O ser imaturo, ambicioso, apaixonado, frustra-se, irrita-se sempre, mata e mata-se, porque o significado da sua vida é o ego perturbador e finito, circular-es­treito e sem metas.

Superar o estado egocêntrico, para tornar-se útil socialmente, caracteriza o rompimento com o círculo familiar da infância e abre-o à comunidade, que é a grande escola da vida.

O indivíduo não pode viver sem relacionamentos, pois que, por contrário, aliena-se.

O seu desenvolvimento deflui dos contatos com a natureza e as criaturas, dos seus inter-relacionamen­tos pessoais, renunciando à liberdade interior, a fim de plenificar-se no grupo.

Com o conflito embutido no comportamento pes­soal, torna-se impossível o relacionamento social. In­dispensável que sejam realizados encontros e experi­ências de grupos, gerando adaptação e convivência salutar com outras pessoas.

Quem lograr a sua consciência individual, supera a violência, a separatividade e, afetuoso, racional, in­tegra o grupo social promovendo-o e desenvolvendo-se cada vez mais, rico de compreensão, fraternidade, amor e paz.

O homem maduro psicologicamente vive a ampli­dão infinita das aspirações do bom, do belo, do verda­deiro, e, esvaído do ego, atinge o self, tornando-se homem integral, ideal, no rumo do infinito.



Fonte:


Extraído do livro “O ser consciente” – Joanna de Angelis –


Será que sou uma pessoa imatura?



O autor, renomado psiquiatra espanhol, oferece aqui dez pontos bastante claros que possibilitam um auto-exame preciso.


A personalidade


É a soma dos padrões de conduta reais e potenciais e é determinada por três fatores: a herança (o nosso patrimônio genético, aquilo que herdamos os nossos pais), o ambiento (aquilo que nos cerca) e a experiência de via (a biografia de cada um). A personalidade é a marca própria e específica de cada um. O cartão de visita. Noutras palavras, a personalidade é uma organização dinâmica, em movimento, em que confluem s aspectos físicos, psicológicos, sociais e culturais de um indivíduo. Nós, psiquiatras, dedicamo-nos à engenharia do comportamento. Somos escavadores das superfícies psicológicas, procuramos aprofundar na mecânica interna do comportamento, para corrigi-lo, melhorá-lo, torná-lo mais equilibrado.


A pessoa imatura




É uma pessoa a meio caminho, com uma psicologia incipiente, incompleta, que no está bem acabada e que tem muitos pontos negativos, mas que pode mudar, melhorar e tornar-se mais sólida, com a ajuda de um psiquiatra ou de um psicólogo.

Tentarei sistematizar os ingredientes principais da imaturidade, para que o leitor possa adentrar num tema tão complexo.

1. Defasagem entre a idade cronológica e a idade mental.

É uma das manifestações que mais chama a atenção logo de cara. Não esqueçamos que há pessoas que amadurecem cedo e outras que levam mais tempo, e isso pode interferir um pouco na observação.


2. Desconhecimento de si próprio.

Conhecer-se a si próprio era uma das normas do herói grego. No templo dedicado ao deus Apolo, em Delfos, havia a inscrição: Gnothi Seauton, "conhece-te a ti mesmo". Trata-se de ter claro que aquilo que devemos estudar com mais afinco somos nós mesmos, temos de saber quais são as nossas limitações e as nossas atitudes. O conhecimento dessas realidades é como que a carta de navegação que nos ajuda a guiar-nos para uma vida adequada.

3. Instabilidade emocional.
A instabilidade emocional manifesta-se em mudanças do estado de ânimo: o sujeito passa da euforia à melancolia de um dia para outro ou mesmo dentro de um mesmo dia. É preciso distinguir essa variação dos chamados transtornos bipolares. O imaturo é desigual, variável, irregular, os seus sentimentos movem-se e balançam como um pêndulo, de maneira que ninguém nunca sabe o que esperar dele. Essa fragilidade é um traço bem característico da imaturidade. O seu estado de ânimo pode ser representado pelos dentes de uma serra, uma espécie de montanha russa cheia de oscilações.


4. Pouca ou nenhuma responsabilidade.

A imaturidade tem níveis, como qualquer outro fato psicológico. A palavra "responsabilidade" vem do latim respondere, que significa "responder", "prometer", "satisfazer". Estar na realidade é ter consciência das próprias circunstâncias imediatas - o hoje e o agora -, que são inescapáveis e que ninguém pode menosprezar.

5. Pouca ou nenhuma percepção da realidade.

A captação incorreta de si próprio e das circunstâncias leva o sujeito a ter um comportamento inadequado nas suas relações intrapessoais (desarmonia consigo próprio) e interpessoais (não sabe lidar com os outros, não sabe guardar distâncias e proximidades).

6. Ausência de um projeto de vida.

A vida não pode ser improvisada. É preciso uma certa organização, um esquema que planeje o futuro. E os três grandes temas do nosso projeto de vida devem ser: o amor, o trabalho e a cultura. E o sujeito imaturo não assume seriamente nenhum dos três. Não se vive sem amor; o amor deve ser o primeiro motor da vida, que impulsiona e dá força aos outros dois. Do nosso comprometimento com esses três grandes temas, brota a felicidade, suma e compêndio de uma vida coerente.

7. Falta de maturidade afetiva.

É preciso compreender o que é o amor e vê-lo como a vértebra da nossa vida sentimental. É o amor que dá sentido à vida. Mas não há amor sem renúncias. Além disso, é preciso ter a consciência de que ninguém é absoluto para o outro. Não há amor eterno; ele só existe nos filmes, nas canções da moda e na cabeça das pessoas imaturas. O que, sim, existe é o amor trabalhado a cada dia. Amar não significa ter sentimentos doces, mas voltar-se juntamente com o outro para as pequenas realidades cotidianas. No meu livro ¿Quién eres? ("Quem é você?"), descrevo a maturidade afetiva como uma dimensão à parte, com características próprias e específicas. Só gostaria de sublinhar uma coisa: como é fácil apaixonar-se e como é difícil manter-se apaixonado! Assistimos hoje uma verdadeira socialização da imaturidade afetiva.

8. Falta de maturidade intelectual.

A inteligência, assim como a afetividade, é outra das grandes ferramentas da psicologia. Há muitas formas de inteligência: teórica, prática, social, analítica, sintética, discursiva, matemática, analógica, intuitiva e reflexiva... Mas façamos uma idéia clara: uma pessoa é inteligente quando sabe focar um tema, fazer raciocínios e juízos adequados sobre a realidade, quando é capaz de formular um conjunto de soluções exeqüíveis e positivas para problemas concretos. Na linguagem mais moderna da psicologia cognitiva: inteligência é saber receber a informação a informação, codificá-la e ordená-la de corretamente a fim de oferecer respostas válidas, coerentes e eficazes. Nesse campo, as manifestações de imaturidade são ricas e variadas: falta de visão e planejamento do futuro; hipertrofia do presente e exaltação do instante; falta de justiça nas análises pessoais e gerais; sérias dificuldades para racionalizar os fatos e aplicar-lhes um certo espírito cartesiano. A vida é como um viagem e por isso é importante saber aonde se quer chegar.

9. Pouca educação da vontade.

A vontade é uma una joia que enfeita a personalidade do homem maduro. Se é frágil e não foi temperada pro uma luta constante, transforma o sujeito em um tipo débil, mole, volúvel, caprichoso, incapaz de propor-se objetivos concretos, já que tudo se desfaz com o primeiro estímulo que vem de fora e o faz abandonar a tarefa que levava a cabo. É a imagem do menino mimado, que é digna de pena: levado, arrastado e tiranizado por aquilo que é mais gostoso, aquilo que o corpo pede no momento. Não sabe dizer "não", fazer renúncias. Um menino estragado, paparicado, malcriado, que se dobra diante de qualquer exigência séria, que nunca superará as suas próprias possibilidades. Um ser que aprendeu a não se vencer, mas a seguir os seus impulsos imediatos. Por essa via, tornou-se um sujeito volúvel, inconstante, leviano, superficial, frívolo, que se entusiasma facilmente com algo para abandoná-lo logo que as coisas ficam minimamente difíceis.


ATENÇÃO conseqüências:

O sujeito apresenta baixa tolerância às frustrações, é um mal perdedor, pois tem pouca capacidade de superar as adversidades uma vez que não está acostumado a vencer-se em quase nada; e há também uma tendência a refugiar-se num mundo fantástico a fim de escapar da realidade.




10. Critérios morais e éticos instáveis.


A moral é a arte de viver com dignidade, de usar corretamente a liberdade, de conhecer e pôr em prática aquilo que é bom. Na pessoa imatura tudo está preso por alfinetes que se soltam facilmente. A moda, a permissividade, o relativismo pautam a sua vida. Ele segue os vaivens das novidades sem nenhum espírito crítico.




           A maturidade

É uma das pontes levadiças que conduz à fortaleza da felicidade e é resultado de um trabalho sério e paciente de perder e agregar, de polir, de limar, de procurar que a nossa forma de ser seja como uma pedra dessas que vemos nos rios que quase não têm arestas.



Autor: Enrique Rojas

Fonte: www.quadrante.com.br


Comentário de uma leitora na NET numa sala de FORUM


"Parece ser um traço comum nos imaturos a pressa e a inconseqüência no que fazem. São apressados e loquazes. Seu desejo de realizar projetos é febril e irritante para os outros; não conhecem alternativas, opções, soluções em que não levem vantagem. Quando inteligentes, sua inteligência lhes infunde uma autoconfiança que agrava sua imaturidade. As idéias que têm, de um aparente lampejo de genialidade, revelam-se logo inadequadas. Eles induzem, nos outros, o impulso de censurá-los, tanto nos seus modos, como na sua falta de sensatez e de objetividade.

Devemos os conflitos na família, na sociedade e no mundo à imaturidades dos pais, das autoridades e dos líderes. Os imaturos são potencialmente capazes de praticar todo tipo de ação anti-social. Em uma escala mais próxima, constituem a massa dos viciados, e mais distante, estão em cada figura da galeria de ditadores sanguinários e ideólogos fanáticos da história da humanidade.

E poderíamos criticar de modo mais direto e certeiro o indivíduo que causa conflitos (no trânsito, no trabalho, na família, no cinema, e entre as nações) simplesmente qualificando-o de imaturo ou, como consta no Dicionário do Aurélio, de “aloprado”. Ele causa danos e prejuízos com uma estranha leveza da alma, esperando que ninguém ouse reclamar, impondo os seus modos em total desrespeito às regras e às pessoas. O imaturo precisa ser vigiado permanentemente. É aquele tipo que todos gostariam de mandar que se calasse.

A imaturidade pode ter o seu sinete, aquele comportamento do indivíduo imaturo que primeiro chama a atenção sobre ele. Revela-se quando ele põe a rodar um certo script ou provoca alguém para um determinado jogo psicológico. Os livros de Eric Berne e Claude Steiner, nos quais esses autores divulgaram os fundamentos da Análise Transacional, são pródigos em exemplos dessas caracterizações."

De nome Suzan.




PENSAMENTO ANALISADO POR PROFISSIONAIS DA ÁREA DA PSICOLOGIA , E INTERPRETADA DA SEGUINTE FORMA: 



1-O texto parece emocional e nada científico.Num paradoxo, quando ele diz que " o imaturo é dado a ações intempestivas, faz críticas de modo arrogante", no decorrer do texto, temos a mesma impressão em relação ao autor, ou seja, ele está sendo imaturo.

2-A maturidade e a imaturidade podem ser analisadas em diversos ângulos, o relato é apenas um deles.


Não sei a autoria do texto, porém particularmente achei tendencioso.

A impressão é que o autor fala de imaturidade com raiva tamanha que
não consegue ser "científico".Para mim a imaturidade é um estado que independe da vontade do indivíduo, chega ser uma dificuldade de crescimento em alguns aspectos, a nível mental, quando comparada ao indivíduo de parâmetros "quase" nornais.


O imaturo não conseguiu crescer, compreender ou processar algumas informações, por vezes características de sua personalidade "light",
não voltada aos scripts impostos pelos donos da verdade: especialistas em comportamento. Outras vezes imaturidade se dá por irresponsabilidade, por transtornos psíquicos de ordem outra.Um ser imaturo pode mudar quando se encontrar diante de stuações

que exijam uma postura firme ou através da retomada de seus valores diante da vida com ajuda de um terapeuta.

Lembrando que não somos todo o tempo maturos ou não, isto é,
crescemos e somos grandes am algumas situações, em outras nem tanto.O texto para mim é totalmente sem sentido e como já disse, revela mais um estado de irritação ou de decepção do autor do que o significado de Maturidade e Imaturidade, ao meu ver, obviamente.


A maturidade acontece, quando tomamos posse do que nós somos, para aí então poder nos dividir com os outros. 


                              Padre Fábio de Melo







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Muito obrigada pela visita.
Volte sempre!!
Rejane

"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe "Sou sempre eu mesma,mas com certeza não serei a mesma para sempre!" Clarice Lispector

Textos no arquivo :

Visite meu arquivo .